Golpe do Whatsapp que clonou celulares de deputados já fez 50 vítimas em Alagoas

O golpe do whatsapp clonado já fez, ao menos, cinquenta vítimas em Alagoas, dentre elas estão os deputados estaduais Dudu Holanda (PSD) e Marcos Barbosa (PPS) e o delegado da Polícia Civil Antônio Carlos Lessa. Alguns desses casos estão sob a responsabilidade da Divisão Especial de Investigação e Capturas (Deic), que instaurou inquérito policial para investigar os crimes.

Na avaliação do delegado Thiago Prado, trata-se de um crime muito bem articulado e pode envolver integrantes de empresas de telefonia e instituições bancárias.

“Têm pessoas de várias partes do país envolvidas, têm pessoas tanto das operadoras de telefonia envolvidas que são os principais sujeitos que permitem a prática criminosa, porque é a partir daí que se clona a linha. Então o pontapé inicial do crime é por meio de um funcionário de operadora de telefonia”, declarou o delegado Thiago Prado.

Segundo o delegado, em Alagoas, cerca de 50 pessoas foram alvos dos criminosos. “Há suspeita também de facilitação em abertura de contas-correntes com documentação falsa, porque várias contas-correntes estão sendo indicadas para a prática do crime. Então a gente acredita que também tenha pessoas da rede bancária envolvida nessa prática criminosa”, acrescenta o delegado Prado.

Os membros da quadrilha clonam e transferem a linha telefônica do aparelho da vítima para o chip do criminoso. Depois instala o aplicativo Whatsapp e começa a conversar com as pessoas conhecidas das vítimas, solicitando dinheiro. Desse modo, muitos acabam caindo.

O deputado Marcos Barbosa (PPS) – outra vítima do golpe – não fez Boletim de Ocorrência na Deic, segundo informou o delegado. “Existem alguns casos que a gente acredita que eles estão selecionando as pessoas que vão sofrer o golpe. As investigações estão avançando, mas é um crime complexo e a gente precisa entrar em contato com as operadoras de telefonia e também com as redes bancárias para solicitar as informações que costumam demorar um pouco”, explicou.

O envolvimento nesse tipo de crime é tratado como estelionato e falsa identidade. O deputado Dudu Holanda fez Boletim de Ocorrência nesta terça-feira (11).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *